Tratamento cirúrgico da safena

As Veias Safenas Magna e Parva são veias que fazem parte do sistema venoso SUPERFICIAL, mas não do Profundo, como muitos pensam. São veias de grande comprimento que auxiliam no retorno venoso.

Entretanto em algumas situações essas veias podem se tornar insuficientes e progressivamente se dilatar, sendo necessário avaliação criteriosa pelo cirurgião vascular que indicara o melhor tratamento.

Compartilhe este artigo:
  • Facebook
  • Twitter
  • G+
  • Email

 

Caso indicado tratamento cirúrgico, temos algumas opções:

  • Cirurgia convencional:

Procedimento que deve ser feito em centro cirúrgico sob Raqui anestesia ou Anestesia geral, no qual em geral são realizadas duas pequenas incisões em pontos chaves (virilha e próximo ao tornozelo) para a retirada da veia por intermédio de uma instrumental cirúrgico chamado fleboextrator.

O paciente também pode receber alta no mesmo dia, dependendo das orientações do Cirurgião Vascular como do Anestesista.

  • Tratamento da Safena com Laser Endovenoso:

Procedimento minimamente invasivo e ultra moderno sem a necessidade de corte que por meio de uma punção da veia safena guiado por Ultrassom com Agulha é introduzido uma fibra Optica dentro da veia doente que transmite a energia do LASER na sua ponta que provocando a cauterização interna da veia , levando à sua oclusão.

Como grande vantagem sobre a cirurgia convencional o trauma cirúrgico é bem menor, menos hematoma, proporcionando recuperação pós-operatória suave com menos dor e desconforto e retorno precoce às atividades diárias, inclusive de trabalho.

  • Tratamento da Safena com Radiofrequência:

Semelhante ao tratamento da Safena com Laser endovenoso, a Radiofrequencia também é um tratamento minimamente invasivo muito moderno que não necessita de cortes, Este método utiliza a energia do cateter de radiofrequência para aquecer internamente a parede da veia, através de um cateter que é colocado no seu interior por meio de uma punção com agulha guiada por ultrassom. O aquecimento (geralmente entre 85 e 90ºC) provoca alterações das fibras de colagéno da parede do vaso. O diâmetro da veia é reduzido e no mesmo momento as proteínas do sangue são desnaturadas pelo calor, ocluindo a mesma.

 

ENVIE SUAS DÚVIDAS